Professor é suspenso após “errar” gênero de aluno e processa escola

“Fiz esse comentário sem querer, eu não queria projetar nada no estudante”, explicou

Um professor de uma escola de ensino médio em Oxford, na Inglaterra, foi suspenso após se referir como “menina” a uma aluna que se identifica como garoto.

A suspensão ocorreu depois que a mãe da criança se queixou à administração da insituição, e o professor Joshua Sutcliffe corre risco de demissão. Em resposta, Sutcliffe está processando a escola.

De acordo com a mãe do aluno, Sutcliffe teria usado o termo “garotas” para se referir a um grupo em que o estudante estava presente. O estudante teria ficado furioso com a situação e o professor de matemática teria tentando acalmá-lo.

“Fiz esse comentário sem querer, eu não queria projetar nada no estudante”, explicou Sutcliffe em entrevista ao programa This Morning. “Obviamente, é papel do professor tratar todos os alunos com respeito e dignidade.”

Investigação

Depois de uma semana de investigação, a escola constatou que Sutcliffe errou o gênero do aluno, “demonstrando comportamentos discriminatórios”. O professor foi suspenso do cargo e corre risco de demissão.

“O diretor falou comigo e disse que haveria uma investigação e que isso duraria um dia, uma segunda-feira, então fiquei sem saber se poderia lecionar novamente. Mas esse processo estava acontecendo durante vários dias. Eu chegava lá dia após dia esperando poder ensinar meus alunos, fazer o que gosto, e então um dia descobri que haveria uma reunião disciplinar”, explicou Sutcliffe. “Errar o gênero de um aluno pode acabar custando o meu trabalho”, prosseguiu.

Processo

Agora, Sutcliffe está processando a escola, alegando que a sua política é autoritária. “Lamento que as nossas relações tenham chegado a este ponto, mas sinto que não tenho escolha senão trazer processos legais contra vocês sem aviso prévio”, disse o professor em carta enviada à administração da escola.

Sutcliffe defendeu sua posição no programa This Morning, dizendo que se apoia em conhecimentos biológicos: “Acredito que daqui para frente as nossas políticas devem ser influenciadas pela biologia e pela lei, em vez de uma ideologia.”

COMPARTILHAR
Eu sou um desenvolvedor web que está trabalhando como freelancer. Estou morando em Joinville, uma cidade do Brasil.